Publicado em Leitura: 4 min.

Tarifa Branca

Esse novo modelo de cobrança lançado no começo do ano de 2018 vem despertando a atenção de muitos consumidores pela grande economia gerada e pela facilidade em sua adesão.

A partir de 1º de janeiro de 2018, entrou em vigor a tarifa branca. Ela é uma nova opção que no momento está sendo oferecida para os consumidores de baixa tensão (residências e pequenos comércios, por exemplo). Esta opção pode representar uma boa fatia na economia destes consumidores por conta de sua nova forma de cobrança.

A Tarifa Branca se difere da convencional porque no modelo convencional existe um único valor para a tarifa o dia todo, porém, no modelo novo, existe uma diferença no valor a ser pago dependendo do horário do dia.

Esses horários podem diferir por concessionária, assim como os valores a serem pagos. Tomando por exemplo a Celesc que fornece energia para Florianópolis, temos os seguintes horários: 00:00 às 17:30 e 22:30 a 00:00 é nomeado como Fora Ponta, 17:30 às 18:30 e 21:30 às 22:30 é conhecido como Intermediário, 18:30 às 21:30 é o horário de Ponta. Abaixo, pode-se ver uma imagem ilustrativa de como se dividem esses horários, é importante lembrar que essa divisão se altera no horário de verão.

Para poder aderir a este modelo, o consumidor deve possuir um consumo médio mensal superior a 500 Kwh. Vale a pena destacar que em 2019, este requisito será reduzido para 250 kwh e em 2020 para consumidores de baixa tensão com qualquer consumo.

Destaca-se também a facilidade de adesão ao novo modelo. Para começar a usufruir da tarifa branca, o consumidor deve se dirigir a sua concessionária de energia e solicitar a troca para a tarifa branca. Esta por sua vez, tem 30 dias para trocar o medidor e fazer as modificações necessárias.

Além disso, a distribuidora ficará responsável pelos custos de possíveis alterações e instalação dos equipamentos de medição necessários ao faturamento da Tarifa Branca. Entretanto, o consumidor ficará responsável por custos de eventuais alterações no padrão de entrada da sua unidade consumidora.

Em caso de insatisfação com o novo modelo, o consumidor pode solicitar a qualquer momento a concessionária para retornar a tarifa convencional. Novamente, a distribuidora terá 30 dias para fazer as mudanças necessárias.

Um fato negativo que pode ser mencionado, é que este modelo é vantajoso apenas para os consumidores que possuem uma maior demanda dentro do horário de fora ponta (que vai das 22:30 até as 17:30). Para os usuários com um padrão de consumo no horário de ponta ou intermediário, a tarifa branca pode significar, ainda, um aumento no valor da fatura ao invés de uma redução.

Por isso, deve-se realizar um estudo detalhado sobre o padrão de consumo de sua residência ou empreendimento, e como ele seria classificado no novo padrão de cobrança.

É importante mencionar que nós na C2E realizamos este estudo, e que ele dura apenas cerca de 1 semana para ser completado. Além disso, o valor cobrado pelo estudo é baseado na economia do cliente. Este modo de cobrança é muito benéfico para o consumidor, pois caso o resultado apontar que não vale a pena aderir a Tarifa Branca, nós cobramos apenas uma pequena taxa.

Isso tem motivado muitos consumidores a experimentarem o novo modelo, e muitos de nossos clientes ficaram surpreendidos com os resultados obtidos em relação a economia. Caso este texto tenha deixado você com vontade de reduzir de maneira considerável a sua tarifa de energia assim como outros consumidores, entre em contato conosco e agende já um estudo!

Compartilha:

Jonas Pacheco Joaquim
Jonas Pacheco Joaquim
LinkedIn